quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Mais um pouco sobre cosméticos e animais


Cruzei de novo pela Internet com um abaixo-assinado virtual sobre o uso de animais em teste de cosméticos. Esse abaixo-assinado pressiona a Avon a acabar com os testes em animais. Em Abril do ano passado, eu já escrevi um longo texto sobre a importância do uso de animais de laboratório no desenvolvimento de novas formulações de cosméticos. Se você não leu, recomendo que dê uma lida antes de continuar aqui. Não vou reescrever todos os argumentos de novo aqui, mas vou tentar mostrar que esse caso explica claramente que a indústria de cosméticos está mais preocupada com o seu dinheiro do que com os bichos.

A Avon foi, segundo ela mesma, a primeira empresa a estabelecer uma política para abolir os testes com animais.

Ué? Então para que o abaixo-assinado? Porque alguns países exigem que os cosméticos sejam testados em animais, independente se foram testados por métodos alternativos aprovados. Segundo a própria Avon, apenas 0,3 % dos seus produtos vendido pelo mundo são testados em animais devido às leis dos países onde são comercializados. Se considerarmos que esses produtos são responsáveis por 0,3 % dos faturamentos da Avon (uma estimativa que pode ser longe da realidade), eles rendem a empresa modestos 27 milhões de dólares por ano (se comparado aos nove bilhões de dólares de faturamento total).

Então, por que a Avon simplesmente não abre mão desses países em prol do seu ideal de não usar animais? Porque um desses países é a China, um mercado consumidor de um bilhão e 300 milhões de pessoas. Imagine a quantidade de dinheiro que espera a Avon nesse um sexto de população mundial. Se a China obrigasse o CEO da Avon a testar seus produtos na sua mãe de cabeça para baixo, era capaz de ele aceitar.

Esse abaixo-assinado deveria ser direcionado ao Presidente chinês, cobrando que seu país não obrigue que os produtos sejam testados em animais e aceite os métodos alternativos já aprovados pela comunidade científica, e não à Avon. Aliás, o abaixo-assinado é direcionado a David Legher, presidente da Avon no Brasil. Eu entendo pouco de administração de empresas, mas acho que o presidente no Brasil não é a pessoa que decide sobre os negócios de uma empresa americana na China.

O abaixo-assinado foi iniciado por Leonardo Bezerra, fundador da ONG (eu acho) Infoanimal. Não consegui descobrir nada sobre o Sr. Bezerra. Como é recorrente nas ONG de proteção animal, suas páginas não informam sobre seus líderes ou integrantes de um conselho de administração, e suas formações. Ou sobre quem os financia.

A Infoanimal se descreve com um grupo de ciberativismo e seus objetivos são, em grande parte, nobres, incluindo fim do uso de peles em vestuário, promoção da adoção de animais e abolição dos rodeios. O tema da experimentação animal na Ciência não consta na lista. Mas, cá entre nós, fazer campanha contra a feijoada não deve conseguir muitos adeptos. 
P.S.: Tem uma coisa que eu insisto em repetir: se os métodos alternativos são “mais baratos, mais seguros e mais eficientes”, por que a indústria de cosméticos insiste em usar animais? Por puro sadismo? Não! Usam porque eles ainda são necessários em algumas etapas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário