segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Cafezinho contra obesidade!


Você conhece alguém obeso? Provavelmente. Isso porque o número de pessoas obesas em todo o mundo tem aumentado de maneira alarmante. O grande problema da obesidade é que essa doença promove o surgimento de outras enfermidades graves, como diabetes, pressão alta e doenças do coração. Dessa forma, diversos cientistas têm buscado formas de tratar a obesidade. Um dos principais mecanismos para possíveis tratamentos é o apetite. Sabe-se que o controle da nossa fome é influenciado tanto pelo metabolismo energético do nosso corpo (quanto de energia precisamos), como também por fatores emocionais (depressão, ansiedade, entre outros). Nosso cérebro é capaz de regular nossa fome através da ativação de neurônios na região do hipotálamo, por meio de mecanismos não completamente entendidos ainda. Desta forma, estudar como esse processo funciona pode dar dicas de como alterarmos nossa fome e saciedade em uma possível terapia.

Um grupo de cientistas chineses conseguiu demonstrar que um velho conhecido do brasileiro tem essa propriedade: o café. Mais precisamente, a cafeína, um dos compostos ativos presentes no café. Eles observaram que ao inibir uma proteína presente nos neurônios do hipotálamo, chamado de receptor de adenosina tipo 1 (A1R), camundongos que tinham uma dieta de alta gordura (igual vários seres humanos por aí) tendiam a ganhar menos peso. Mais que isso, tanto a administração de cafeína direto no cérebro dos camundongos, como a administração por via oral, foram capazes de reduzir os depósitos de gordura no tecido adiposo, triglicerídeos no sangue, aumentou a sensibilidade à glicose e reduziram a ingestão de alimentos. Todos esses efeitos parecem ocorrer de maneira dependente do neurotransmissor oxitocina, reconhecido por seu papel na reprodução sexual e no momento do parto (já falamos sobre a oxitocina aqui).

De fato, estudos populacionais já demonstraram que o consumo de café parece proteger contra o desenvolvimento de diabetes do tipo II (DING et al, 2014). A descoberta do mecanismo envolvido nesse processo produz duas importantes consequências: em curto prazo, a possível inserção da cafeína como tratamento da obesidade; em longo prazo, novos medicamentos que regulem os mecanismos desencadeados pela cafeína (receptor A1R e oxitocina no hipotálamo). É importante ressaltar que a cafeína, como qualquer substância, tem seu limite seguro. De fato, mortes associadas à consumo excessivo de cafeína já foram registradas. Por isso, mais estudos precisam ser realizados, principalmente para observar a dosagem de cafeína necessária para reduzir os efeitos da obesidade em seres humanos. Apesar disso, esse é mais um motivo para você perguntar: ‘’Vamos tomar um cafezinho?’’ 

Referências:
DING, M. et al. Caffeinated and decaffeinated coffee consumption and risk of type 2 diabetes: a systematic review and a dose-response meta-analysis. Diabetes Care 37, 569–586 (2014).

Nenhum comentário:

Postar um comentário