sábado, 1 de março de 2014

Banho de água fria nas células-tronco

Haruko Obokata (Fonte: ajw.asahi.com)
O mundo científico pode ser muito competitivo. Dependo da área de estudo e do volume de dinheiro envolvido, você pode esquecer a ideia de colaboração entre grupos de pesquisa “rivais”. Quando uma pesquisa pode levar a criação de um novo medicamento, uma nova técnica de diagnóstico para doenças ou patentes importantes, é cada um por si. Por exemplo, eu incluiria câncer, AIDS, terapia gênica (que consiste em adicionar genes novos a uma célula para tentar curar uma doença) e células-tronco no grupo de áreas competitivas. E todos os cientistas são humanos, e não santos; e, como humanos, alguns não têm escrúpulos. É cada vez maior o número de fraudes descobertas em diferentes pesquisas científicas, que incluem falsificação e duplicação de resultados, além de plágio. E, é claro, quando mais competitiva e quando mais dinheiro presente, mais as pessoas são tentadas a tentar enganar (a Torre de Marfim não é muito diferente do Resto do Mundo). Esse tipo de conduta pode ter sérias implicações no desenvolvimento de novas tecnologias, principalmente nessas áreas muito disputadas.
Charles Vacanti (Fonte: www.nobleresearch.com)


Recentemente, a cientista japonesa Haruko Obokata e o americano Charles Vacanti (Você não deve conhecer esse cara, mas com certeza lembra do camundongo com uma orelha humana nas costas, não é? Ele era o cientista responsável por essa pesquisa.) passaram a estar sob investigação oficial do Centro de Biologia do Desenvolvimento RIKEN do Japão (e extraoficial de parte da comunidade científica). Os dois são responsáveis por dois trabalhos publicados em fevereiro na prestigiosa revista Nature, descrevendo uma nova (e muito mais simples) forma de se produzir células-tronco pluripotentes (ou seja, que podem produzir qualquer tipo de célula do corpo) a partir de células adultas de camundongo, o que teria um grande impacto nas pesquisas e terapias com essas células (Obokata e cols., 2014a; Obokata e cols., 2014b). Atualmente, células-tronco podem ser geradas a partir de outras células por um processo descrito em 2006 pelo cientista japonês Shinya Yamanaka, que consiste em “ligar” quatro genes específicos da célula através de terapia gênica (Takahashi e Yamanaka, 2006). O trabalho de Yamanaka é tão importante para a área que o cientista foi laureado com o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia em 2012. O processo descrito agora por Obokata é muito mais simples: quando as células adultas são colocadas na presença de um meio externo um pouco mais ácido que o normal, elas se reprogramam e se tornam células-tronco (embora ninguém saiba ao certo ainda como isso acontece). Muito mais fácil, muito mais simples e muito impactante!
Shinya Yamanaka (Fonte: www.nobelprize.org)


Mas aí os problemas começaram. Os trabalhos chamaram muita atenção e foram lidos por muitos pesquisadores pelo mundo. Alguns mais atentos repararam em algumas coisas suspeitas. Em um dos trabalhos publicados na Nature, um dos resultados é uma análise de DNA que parece ter sido montada a partir de pelo menos duas análises diferentes, como se a foto fosse montada no Photoshop, indicando manipulação de resultados. No outro, foi feita a análise da quantidade de proteínas específicas na placenta de camundongos; e placentas muito parecidas aparecem em mais de uma imagem do mesmo artigo, indicando proteínas diferentes. Como se os autores tivessem usado o mesmo experimento para mostrar coisas diferentes, indicando falsificação. Mas de qualquer forma, são apenas dois casos em trabalhos enormes com muitos outros resultados. Os possíveis erros, causados por má fé ou não, não alterariam o resultado final da pesquisa.
Teruhiko Wakayama (Fonte: www.riken.jp)


A partir daí, a comunidade extraoficialmente começou a rever os trabalhos de Obokata e Vacanti e encontraram um artigo publicado em 2011, onde também pode ser visto indícios de manipulação de imagens em resultados de análise de DNA (Obokata e cols., 2011). (Essas estão tão bonitas que, assim como fotos de modelos de revista, não podem ser verdade.)

Os autores foram procurados para dar explicações. Obokata não respondeu às acusações. Vacanti disse que só foi informado agora dos problemas com as imagens do trabalho de 2011 e que vai reenviar as análises originais. Teruhiko Wakayama, o pesquisador responsável pelas imagens feitas das placentas, disse que o experimento gerou mais de 100 imagens de tecidos e que Obokata pode ter se confundido no momento de montar a figura do resultado do trabalho (Cyranoski, 2014).

Como eu disse antes, problemas de manipulações de dados são graves, mas não necessariamente invalidam os resultados gerais obtidos pelos cientistas. Porém, depois dos problemas aparecerem, um grupo de pesquisadores de diferentes lugares do mundo montou uma força-tarefa com o objetivo de repetir os experimentos de Obokata e confirmar os resultados obtidos. E aí a coisa fica feia: até agora 11 diferentes laboratórios tentaram gerar células-tronco com o processo de Obokata; nove deles não conseguiram, um teve resultados confusos e apenas um laboratório conseguiu um resultado um pouco mais promissor.

Vai ser preciso esperar mais tempo até que as investigações sejam concluídas e que os pesquisadores confirmem se são ou não capazes de repetir os experimentos de Obokata, mas até lá parece que as esperanças de se conseguir células-tronco se modo fácil e barato receberam um balde de água fria.

Referências

CYRANOSKI, D. Acid-bath stem-cell study under investigation. Nature, p. 10.1038/nature.2014.14738, 2014.

OBOKATA, H.; KOJIMA, K.; WESTERMAN, K.; YAMATO, M.; OKANO, T.; TSUNEDA, S.; VACANTI, C. A. The potential of stem cells in adult tissues representative of the three germ layers. Tissue Engineering, Part A, v. 17, n. 5-6, p. 607-615, 2011.

OBOKATA, H.; SASAI, Y.; NIWA, H.; KADOTA, M.; ANDRABI, M.; TAKATA, N.; TOKORO, M.; TERASHITA, Y.; YONEMURA, S.; VACANTI, C. A.; WAKAYAMA, T. Bidirectional developmental potential in reprogrammed cells with acquired pluripotency. Nature, v. 505, n. 7485, p. 676-680, 2014a.

OBOKATA, H.; WAKAYAMA, T.; SASAI, Y.; KOJIMA, K.; VACANTI, M. P.; NIWA, H.; YAMATO, M.; VACANTI, C. A. Stimulus-triggered fate conversion of somatic cells into pluripotency. Nature, v. 505, n. 7485, p. 641-647, 2014b.

TAKAHASHI, K.; YAMANAKA, S. Induction of pluripotent stem cells from mouse embryonic and adult fibroblast cultures by defined factors. Cell, v. 126, n. 4, p. 663-676, 2006.

Nenhum comentário:

Postar um comentário